sexta-feira, 15 de novembro de 2013

A coisa do povo

Que coisa estranha o legado deste povo...
É coisa sua e quem usa a sua coisa
é outro alheio senhor da coisa alheia
apoderado das coisas do poder

E a coisa feia é pintada como linda
emoldurada em tecido corrompido
onde a pobreza é disfarce da miséria
e onde a verdade é forjada na caneta

Coisa tomada por quem quer ter direito
e é tão suspeito e comete o vão delito
à luz do dia ou da noite tanto faz

Coisa perversa que ecoa no silêncio
e que malversa a ilusão de ser feliz
enquanto a pública rês rumina morte

Um comentário:

Seu comentário eu aceito,
mas a "responsa" é só sua,
sendo correto e bem feito,
ponha o seu bloco na rua!