segunda-feira, 6 de julho de 2020

Não-ciência

Não se trata de um ensaio
nem artigo, tese ou banca

Só dizer
de malandragem

O corolário do tosco
chega expresso na tosquia

terça-feira, 19 de maio de 2020

E daí? (ou Lavando as mãos no pandemônio)

(hoje foram registradas mais de 1000 mortes
 num dia por COVID-19 no Brasil)

E daí?
Que falta faz a tua vida,
já que existe um "escolhido"?
E daí?
Que falta faz tua família,
já que a dele é protegida?
E daí?
Que falta faz algum amigo,
se ele nem é teu amigo?
E daí?
Que falta faz quem não conheces,
se ele lá não te conhece?
E daí?
Que falta faz algum bom senso,
já que o teu não vale nada?
E daí?
Que falta faz a coerência,
se isso é tua opinião?
E daí?
Que falta faz a confiança,
já que os gritos te amedrontam?
E daí?
Que falta faz o isolamento,
se ele está mais que isolado?
E daí?
Que falta faz a inteligência,
já que nem queres saber?
E daí?
Que falta faz uma UTI,
se teu leito te aconchega?
E daí?
Que falta faz que ele governe,
já que tu não cobras nada?
E daí?
Que falta faz um estadista?

sexta-feira, 15 de maio de 2020

sexta-feira, 1 de maio de 2020

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Um dia de quarentena

Viro pra lá
viro pra cá
mas nada vejo
A calma aparente
à luz do fim do dia

Entretanto
a sensação de vigilância
está nas ruas

Há poucos carros
pouca gente
pouca vida
Há muitas portas bem fechadas
E janelas sem ninguém
também trancadas
e cerradas com cortinas

A cidade
e sua estranha dimensão
atemporal

Dirijo lento
e me perturba um pensamento
(algo invisível invadindo
cada esquina e cada rua
e cada ponto de contato)

Os sinaleiros sem malabaristas
nem vendedores de balinhas
e o silêncio
sem motores
nem buzinas
muitas vagas pra parar
As calçadas quase às moscas
mas não sinto solidão
(alguém me espera)

Apresso o passo
olho ao redor e me examino
ao cruzar a Generoso
e temer o que não vejo
(e saber que ninguém vê
este meu périplo)

Não há ninguém
Nem mesmo as pombas
nem as putas
gigolôs
nem pedintes
traficantes
nem os guardas do palácio
nem as vozes que anunciam
almoço a seis reais

E o tamanho do vazio
me parece incalculável
quando dobro
a esquina da curvinha
sem sequer cheiro de mijo

O mercado do chinês está aberto
(eu nem sei se ele é chinês)
mas seu público é nenhum
e somente o segurança
anda fora
dos balcões
(o seu olhar desconfiado
acompanha-me de longe
afinal toda distância
há de ser mais
que ciência)

Eu compro pão
E novamente cruzo a Generoso
abro o portão da galeria
hoje mais fria e só vazia

Falo de longe com meus pais
sem dar abraços
(ai meus ais)
e deixo o pão
e me despeço
(a mãe me olhando
o olhar comprido e lacrimoso
esse também contagioso
e que contraio
e levo junto)

O tempo não se põe em quarentena
e a todos marca
um dia a mais e um dia a menos

quarta-feira, 11 de março de 2020

À deriva


Há exatos 3 anos (156 semanas) a previsão do mercado para o PIB do ano de 2021 permanece no patamar de 2,5%. Ou seja, há exatos 3 anos o mercado não identificou nenhuma razão para julgar que o PIB brasileiro de 2021 poderá ser maior ou menor do que a última estimativa registrada. Melhor dizendo, há exatos 3 anos a política econômica (pensada, praticada ou desejada) não produz nenhuma alteração de perspectiva no mercado.
O fato acima descrito pode ser confirmado com a leitura do Boletim Focus divulgado em 06/03/2020 (relatório completo disponível para acesso na internet, no endereço https://www.bcb.gov.br/content/focus/focus/R20200306.pdf).
O Boletim Focus é um relatório que o Banco Central publica contendo a compilação das expectativas de diversos agentes econômicos que são popularmente chamados de mercado. Os dados deste boletim têm por base pesquisa semanal feita pela autoridade monetária junto a estes agentes.
E o que a estagnação por 3 anos na estimativa do mercado para o PIB nos revela?
Bem, além desta pergunta, surgem necessariamente outras duas: 1) Há política econômica em curso no Brasil cujos efeitos possam influenciar o nível de atividade econômica e, consequentemente, o PIB? 2) O mercado está preocupado em analisar os efeitos da política econômica em curso e mensurar os seus reflexos na atividade econômica?
Lamentavelmente, as respostas possíveis para estas questões são negativas. Não, não há política econômica relevante em curso no Brasil. E, não, não há interesse do mercado em mensurar os efeitos da política econômica sobre a atividade.
Pois é, o número de 2,5% para o PIB de 2021 não passa de uma estimativa pró-forma, para cumprir tabela, ilusória, enganadora, um chute...
Isto é ruim. Mas a realidade é ainda pior.
Até agora, nem mesmo os recentes e dramáticos eventos econômicos mundiais têm tido reflexos nas estimativas do mercado para o PIB brasileiro. E, claro, também não têm provocado nenhuma reação dos responsáveis pela condução da política econômica, que não mudam o já desfigurado discurso de reformas…
Reformas?
Vendidas para o grande público como medidas de salvação da economia nacional, o que se viu até agora não está nada em linha com o anunciado. Ao contrário. A reforma trabalhista suprimiu direitos históricos, reduziu remunerações, criou subclasses de trabalhadores, atacou a organização sindical e, obviamente, prejudicou a capacidade de organização dos trabalhadores que já estavam organizados e impôs novos obstáculos à organização daqueles que jamais estiveram organizados. Mas não gerou os empregos anunciados. A reforma previdenciária também suprimiu direitos, achatou a renda de aposentados (renda destinada quase que integralmente ao consumo e, portanto, geradora de atividade econômica) e ameaça impedir que uma grande parcela de trabalhadores jamais alcance a situação de aposentado, o que será um confisco de parte de sua renda, pois é possível que muitos contribuam para a previdência social e nunca venham a receber algum provento de aposentadoria em contrapartida.
A reforma tributária não passa de uma piada que mexeria com os grandes interesses do mercado e, por isso, não sai do lugar.
E a reforma administrativa que está sendo gestada pretende amordaçar os servidores públicos e evitar denúncias e investigações de irregularidades praticadas no andar superior da administração pública. Vale lembrar que o combate à corrupção até então realizado só foi possível porque ainda existem garantias que permitem que servidores públicos denunciem e investiguem atos irregulares na aplicação dos recursos públicos e no uso da máquina pública. E, claro, vale lembrar também que medidas de combate à corrupção são conduzidas por servidores públicos.
Mas voltemos ao PIB.
Pois bem, se não há política econômica com efeitos relevantes sobre a atividade, e se o mercado não tem estimativas também relevantes para o nível de atividade econômica, nosso PIB está à deriva, ao sabor dos ventos vindos de outras bandas.
O pior desta constatação é que o PIB é apenas uma ferramenta estatística que mede a realidade. E o que de fato está à deriva é o destino de toda a população que vive, trabalha e tenta planejar seu futuro em nosso país.